OTA.09 – Responsabilidade social corporativa: a memória do programa de reassentamento dos atingidos pela barragem da Usina Hidrelétrica Luiz Gonzaga (ex-Itaparica)

Sobre o autor

CUNHA, Pedro

OTA.09

Possui mestrado em Gestão Empresarial pelo Fundação Getúlio Vargas(2012). Atualmente é CONSELHEIRO DELIBERATIVO do FUNDAÇÃO ELETROBRAS DE SEGURIDADE SOCIAL. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Ciências Contábeis.

(Informações coletadas do Lattes com última atualização em 21/08/2012)

Sobre o trabalho

Tipo

Dissertação (Mestrado em Administração)

REFERÊNCIA

CUNHA, P. P. Responsabilidade social corporativa: a memória do programa de reassentamento dos atingidos pela barragem da Usina Hidrelétrica Luiz Gonzaga (ex-Itaparica). 2012. 118 f. Dissertação (mestrado) – Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas, Centro de Formação Acadêmica e Pesquisa, Rio de Janeiro-RJ.

RESUMO

No Brasil, água e energia têm uma forte e histórica interdependência, de forma que a contribuição da energia hidráulica ao desenvolvimento econômico do País tem sido expressiva, seja no atendimento às diversas demandas da economia, ou da própria sociedade, melhorando o conforto das habitações e a qualidade de vida das pessoas. Também desempenha papel importante na integração e desenvolvimento de regiões distantes dos grandes centros urbanos e industriais. A década de 70 registrou um crescimento elevado da demanda por energia elétrica no Brasil; reflexo de políticas desenvolvimentistas de governos anteriores que promoveram o crescimento industrial do País atraindo e criando indústrias de uso alto intensivo da eletricidade. No caso da região Nordeste, o crescimento econômico trouxe consigo o risco de um grave racionamento de energia. Para eliminar tal risco, o Estado por intermédio do Sistema Eletrobras realizou a construção de grandes usinas hidrelétricas interligando-as ao sistema nacional. Não há como negar que esta solução provocou um grande benefício para grande parte da população brasileira, mas trouxe, para uma parcela do povo brasileiro, um custo social bastante elevado. Essas pessoas ficaram então conhecidas como os “atingidos por barragens”. Para eles, a construção das barragens de usinas como Itaipu, Tucuruí, Sobradinho e Itaparica significou o deslocamento compulsório dos locais aonde viviam e tinham suas tradições e referência culturais e afetivas. Esta pesquisa objetiva resgatar a memória deste período de grandes obras, promessas de desenvolvimento e marcas deixadas em milhares de famílias brasileiras. O estudo em questão é também uma tentativa de mostrar como o Programa de Reassentamento de Itaparica, projeto conduzido pela Companhia Hidro Elétrica do São Francisco – CHESF foi o marco de uma nova dinâmica para tratamento das questões sociais envolvendo a reparação de danos causados aos atingidos por barragens e se constitui talvez, no primeiro caso de Responsabilidade Social Corporativa do setor elétrico brasileiro.

PALAVRAS-CHAVE

1. Responsabilidade Social Corporativa 2. Desenvolvimentismo 3. Reassentamento de Itaparica

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s